sexta-feira, 16 de setembro de 2016

a escavação vertical de Gnawed | as reminiscências vivas do Shimmer Crush

Gnawed :: Pestilence Beholden (Malignant)
Se boa parte da música que se convencionou a chamar de industrial e suas inúmeras variações tem um pé forte na performance, o início de Pestilence Beholden é poderoso neste aspecto; é como se a estética fosse as próprias ruminações do inicio. Não é bem uma introdução, não há tempo para introduções nesses simulacros de estrutura. A estética distópica, conturbada, obscura- ainda assim sintetizadores saturados prolongados que escavam o espaço. Pestilence Beholden é uma escavação vertical enquanto tudo que é deixado para trás é engolido por uma matéria seca; incrementada em abatimentos, formações disformes, aparições repentinas.

Se a base é uma performance e se a performance nasce através da experiência e se a experiência do Gnawed é puxar sonoridades árduas para um terreno de diálogo com o ouvinte e a partir daí estruturar os meios que Pestilence se desenvolve. As texturas massivas, os berros industrializados, os cânticos como plano de fundo- não é bem uma questão de "em que mundo estamos" mas como estamos habitando este inferno e ainda assim tirando algo disso? A isolação gritante na obra de Gnawed ( preferia referir como "isolacionismo", pena essa palavra não existir) é uma topologia que vai além de uma solidão admoestada; ela é uma solidão obcecada pelo controle caótico em um terreno organizado por rupturas poderosas. As gravações de campo e os vocais cheios de efeito são o transe da mesma obsessão. É como se o Gnawed quisesse representar não uma ambiência obscura que o envolve, mas como seu próprio estar-no-mundo (o acontecer de Hannibal) espalha certa nebulosidade. As tendências mais eletrônicas na música industrial não são para modernizar qualquer estética- elas são a forma de Gnawed tentar esboçar um não sufocar completo.

Ainda assim permitindo-se momentos de sonho em um pesadelo intermitente. Ainda assim há uma respiração que germina em toda a claustrofobia provocada por Pestilence Beholden. É como se a perseguição não seguisse qualquer rastro teu mas ela fosse intrínseca a qualquer forma que você assuma no mundo. Não há ser no mundo por tanto. Apenas um disfarce. E Gnawed reconhece que nestes trânsitos entre  o que há de mais densamente violento em neuroses modernas que encontra algum ar para respirar. E ele se recusa aos ares limpos. Ele se recusa ao idealismo.

Shimmer Crush - These Four Walls

Idealismo que nem entra em voga no cenário de reminiscências vivas que é These Four Walls. O álbum estabelece partículas (um fluxo constante de alterações de densidades sonoras, estranhamente continuadas, estranhamente insistentes) que envolvem o ouvinte numa arquitetura horizontal de possibilidades paralelas. É como se o glitch artificioso de Shimmer Crush celebrasse um enigma ao invés de tentar resolver qualquer coisa. Por isso, apesar de todos os elementos grosseiros que envolvem These Four Walls, Shimmer constrói sua identidade através do que ela não consegue capturar. Os layers, as vozes descontínuas e fragmentadas surgem numa rica textura que dimensiona a nostalgia. Ao contrário de Pestilence Beholden, Shimmer estimula uma visualização mais idílica com arte. Sem, com isso, emprestar qualquer inocência pueril que possa ameaçar a densidade do seu trabalho. As percussões ora manuais ora eletrônicas em um downtempo cortado por milhares de atravessamentos, a distância que a mesma nota tocada várias vezes provoca- é tudo muito extenso em  These Four Walls, estranhamente disperso.

Escapes entorpecidos com drones fraturados, cortes bruscos novamente, sessões harmônicas descontinuas, cânticos em completo desacordo com o ritmo. Os ruídos são modulados de maneira criativa; eles estranham o espaço mas se redistribuem nele; eles aceitam. É curioso que tudo pareça brotar de uma pulsação modular que tem como estratégia a busca de algo indefinido (talvez por isso a indecisão estética nítida no começo da maioria das faixas).

These Four Walls sai de qualquer conceito reducionista para expressar uma busca afetiva-racional que pelo menos elucida o caráter da apreensão- ou  tentativa dela. 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

a ressonância de dois corpos, pensamentos causados por "eu, você e a garota que vai morrer" de Alfonso Gomez-Rejon


Eu chorei porque o filme falava de nós e as imagens mudavam assim como a intensidade do reflexo delas nas minhas lágrimas e teu corpo era testemunha (também chorosa! ) da minha fragilidade. Enquanto nos desmaterializávamos no colchão que passamos tantas tardes assim sei lá falando sobre nada em particular (ou sobre tudo que nos era inalcançável), e parece que um bocado de nós escorria em alguma matéria conectiva (como esboçar uma ressonância que completa dois corpos? ).

Não é que eu queira me orgulhar de correr durante vinte e cinco anos na contramão ou na antecâmara dos acontecimentos ou qualquer merda dessas. Não é que eu queira me orgulhar do não pertencimento ou do não compartilhamento imediato ; não mesmo! Mas parece que toda essa hesitação perante a vida foi um tempo (em que as horas não existiam; era tudo embrulhado, afinal) de preparo para a saudação hospitaleira. A mão que saúda o meu corpo com o advento de uma ação inaugural ; como se o sistema de representação que colide nas ações fosse implodido por uma matéria nostálgica ; uma matéria que é a constituição de tudo o que a representação não pode incorporar.

Agora eu vejo que a renúncia involuntária não foi uma corrente que me prendeu na esfera da distância. Foi o elemento de não se deixar encantar pela magia do mundo que permitiu que eu residisse aqui, aguardando tua chegada. Quando você abriu o portão e vi tua silhueta sob as árvores tentava pensar em algo mais do que apenas bobo para dizer ; sem saber que tudo o que escondi durante anos fosse ser o suficiente para você. Tudo que escondi dos outros só teve ressonância completa em ti. Em seu cabelo escuro blindado pela proteção de quem nunca pertenceu.

Há um reino todo desabitado para conhecer. E eu sei que ele existe. Eu sei que nele pode brotar coisas indefinidas ; pequenas bolhas que são transportadas do mundo-lançado para serem elas mesmas protagonistas de um enigma. Como seu sorriso e seu choro e suas gargalhadas e sua preocupação também resistisse contra a tirania da luz; são eles enigmas também. Que eu nunca te desvende, que eu nunca esqueça quando você disse:

"A gente nunca vai estar do lado de dentro. Mas foda-se. Eu não quero mais estar. Desde que seja com você neste exílio. "

sábado, 3 de setembro de 2016

100 lançamentos de 2016

Listão TM de lançamentos deste ano que vale muito a pena ouvir. Tudo carinhosamente selecionado com a minha curadoria e minha obsessão irritante de catalogar as coisas que ouço. Link direto pro RYM, pra você saber o gênero, ter info dos artistas. Isso ai, keep musicando!

L'autre côté du vent

Otacílio Melgaço

L'autre côté du vent (2016)
This Unruly Mess I've Made

Macklemore & Ryan Lewis

This Unruly Mess I've Made (2016)
Memoro Fantomo - Rio Preto

Sentidor

Memoro Fantomo - Rio Preto (2016)
Expurgo

Cássio Figueiredo

Expurgo (2016)
The Catechism

Gorazde

The Catechism (2016)
Phase

Jack Garratt

Phase (2016)
Água rosa

Nvblado

Água rosa (2016)
Neutral Nation

Rempis / Johnston / Ochs

Neutral Nation (2016)
Foda!

Valciãn Calixto

Foda! (2016)
Silhouettes of an Imprisoned Mind

Witte Wieven

Silhouettes of an Imprisoned Mind (2016) [EP]
Brutalism

Otacílio Melgaço

Brutalism (2016)
Um Tempo Lindo Pra Estar Vivo

El Toro Fuerte

Um Tempo Lindo Pra Estar Vivo (2016)

Emo
O último carnaval de nossas vidas

A Espetacular Charanga do França

O último carnaval de nossas vidas (2016)
Palana

Charlie Hilton

Palana (2016)
Painting With

Animal Collective

Painting With (2016)
Dead Dawn

Entombed A.D.

Dead Dawn (2016)
Atomic

Mogwai

Atomic (2016)
Rituals

Rotting Christ

Rituals (2016)
Dystopia

Megadeth

Dystopia (2016)
Grandfeathered

Pinkshinyultrablast

Grandfeathered (2016)
À boire et à manger

Pensées nocturnes

À boire et à manger (2016)
Emotions Revealed

Steve Roach

Emotions Revealed (2016)
Presença

Cássio Figueiredo

Presença (2016)
O homem e a morte

Kovtun

O homem e a morte (2016)
When Blue Turns Gould

Otacílio Melgaço

When Blue Turns Gould (2016)
Livin' on a High Note

Mavis Staples

Livin' on a High Note (2016)
Statik KXNG

Statik KXNG

Statik KXNG (2016)
I Like It When You Sleep for You Are So Beautiful Yet So Unaware of It

The 1975

I Like It When You Sleep for You Are So Beautiful Yet So Unaware of It (2016)
3001: A Laced Odyssey

Flatbush ZOMBiES

3001: A Laced Odyssey (2016)
Lemanis

Spaceslug

Lemanis (2016)
Semikujira

Arashi

Semikujira (2016)
The Life of Pablo

Kanye West

The Life of Pablo (2016)
Only the Youngest Grave

Lost Salt Blood Purges

Only the Youngest Grave (2016)
Wriggle

clipping.

Wriggle (2016) [EP]
One Day You Will Ache Like I Ache

The Body & Full of Hell

One Day You Will Ache Like I Ache (2016)
Cardinal

Pinegrove

Cardinal (2016)
Sacred Blood "Divine" Lies

Magnum

Sacred Blood "Divine" Lies (2016)
Contagious

Shio-Z

Contagious (2016) [EP]
Bresson Bergman

Lingering Last Drops and Slumbering

Bresson Bergman (2016) [EP]
Bring Out Your Dead

Pesta

Bring Out Your Dead (2016)
Allir vegir til glötunar

Naðra

Allir vegir til glötunar (2016)
The Colour in Anything

James Blake

The Colour in Anything (2016)
No One Deserves Happiness

The Body

No One Deserves Happiness (2016)
The King of Whys

Owen

The King of Whys (2016)
Le dernier crépuscule

Chthe'ilist

Le dernier crépuscule (2016)
Singing Saw

Kevin Morby

Singing Saw (2016)
Wildfire

Deströyer 666

Wildfire (2016)
Slime Season 3

Young Thug

Slime Season 3 (2016) [Mixtape]
Before a Million Universes

Big Ups

Before a Million Universes (2016)
Queda livre

Jonathan Tadeu

Queda livre (2016)
Akróasis

Obscura

Akróasis (2016)
Les dernières confessions

Charles Barabé

Les dernières confessions (2016)
Voix

Aluk Todolo

Voix (2016)
Hideous Silhouettes of Lynched Gods

Svartidauði

Hideous Silhouettes of Lynched Gods (2016) [EP]
Tropix

Céu

Tropix (2016)
燃えない灰 (Moenai Hai)

The Gerogerigegege

燃えない灰 (Moenai Hai) (2016)
Docks

Amanda Bergman

Docks (2016)
Medo da Astrologia

Concreto Morto

Medo da Astrologia (2016) [EP]
Salve discordia

Triángulo de Amor Bizarro

Salve discordia (2016)
Goodness

The Hotelier

Goodness (2016)
To Be Everywhere Is to Be Nowhere

Thrice

To Be Everywhere Is to Be Nowhere (2016)
The Calm Before

Matt Elliott

The Calm Before (2016)
Blank Face LP

ScHoolboy Q

Blank Face LP (2016)
Hella Personal Film Festival

Open Mike Eagle + Paul White

Hella Personal Film Festival (2016)
The Ghosts of Highway 20

Lucinda Williams

The Ghosts of Highway 20 (2016)
Puberty 2

Mitski

Puberty 2 (2016)
Freetown Sound

Blood Orange

Freetown Sound (2016)
If I Die Before I Wake

スズキジュンゾ [Junzo Suzuki]

If I Die Before I Wake (2016)
醉花音 (Enchanted by the Blooming Echo)

Deep Mountains

醉花音 (Enchanted by the Blooming Echo) (2016)
It Feels Like Laughing With You

Yeah Wings

It Feels Like Laughing With You (2016)
Anna Högberg Attack

Anna Högberg Attack

Anna Högberg Attack (2016)
<3 WIFI

Paola Rodrigues

<3 WIFI (2016) [EP]
Overtone Ensemble

Overtone Ensemble

Overtone Ensemble (2016)
Toll

Kemper Norton

Toll (2016)
Teens of Denial

Car Seat Headrest

Teens of Denial (2016)
Human Story 3

James Ferraro

Human Story 3 (2016)
Sobre os prédios que derrubei tentando salvar o dia (Parte 1)

Def

Sobre os prédios que derrubei tentando salvar o dia (Parte 1) (2016) [EP]
Asphalt for Eden

Dälek

Asphalt for Eden (2016)
Born Into the Waves

And Also the Trees

Born Into the Waves (2016)
You Will Never Be One of Us

Nails

You Will Never Be One of Us (2016)
Bottomless Pit

Death Grips

Bottomless Pit (2016)
The Odd Tape

Oddisee

The Odd Tape (2016)
Noise Patterns

Tristan Perich

Noise Patterns (2016)
Rei vadio - As canções de Nelson Cavaquinho

Romulo Fróes

Rei vadio - As canções de Nelson Cavaquinho (2016)
untitled unmastered.

Kendrick Lamar

untitled unmastered. (2016)
You're Doomed. Be Nice.

Rob Crow's Gloomy Place

You're Doomed. Be Nice. (2016)
Celebrate

Tiny Moving Parts

Celebrate (2016)
Bittersweet

Aaron West and the Roaring Twenties

Bittersweet (2016) [EP]

Indie Folk, Folk Rock, Singer/Songwriter
MM3

Metá Metá

MM3 (2016)
Terminal Redux

Vektor

Terminal Redux (2016)
The Glowing Man

Swans

The Glowing Man (2016)
A Moon Shaped Pool

Radiohead

A Moon Shaped Pool (2016)
Lado turvo, lugares inquietos

Maquinas

Lado turvo, lugares inquietos (2016)
Ritual

Fire! Orchestra

Ritual (2016)
The Impossible Kid

Aesop Rock

The Impossible Kid (2016)
elseq 1–5

Autechre

elseq 1–5 (2016)
Wildflower

The Avalanches

Wildflower (2016)
Blonde

Frank Ocean

Blonde (2016)

eliminadorzinho

Nada Mais Restará (2016) [EP]
Which Way to Leave?

John Chantler

Which Way to Leave? (2016)